Rigidez mental: Quando sua forma de pensar te impede de crescer

Albert Eins­tein dis­se que “a men­te que se abre a uma nova ideia nun­ca retor­na ao seu tama­nho ori­gi­nal.” No entan­to, abrir a men­te é um exer­cí­cio com­pli­ca­do, mui­to mais do que gos­ta­ría­mos de admi­tir.

Na ver­da­de, já come­ça­mos a cons­truir a rigi­dez men­tal a par­tir do nas­ci­men­to. Cada apren­di­za­gem abre novas por­tas, mas tam­bém fecha outras.

À medi­da que cres­ce­mos e for­ma­mos nos­sa pró­pria ima­gem do mun­do, já esta­mos chei­os de este­reó­ti­pos, pre­con­cei­tos e cren­ças que são mui­to difí­ceis de remo­ver. No entan­to, a rigi­dez men­tal não se refe­re ape­nas às idei­as, mas, aci­ma de tudo, a manei­ra de pen­sar.

A rigi­dez men­tal nos tor­na pri­si­o­nei­ros, pois dimi­nui nos­sa capa­ci­da­de de adap­ta­ção, cri­a­ti­vi­da­de, espon­ta­nei­da­de e posi­ti­vi­da­de. Nos pren­de­mos a velhos padrões que nos impe­dem de cres­cer inte­lec­tu­al­men­te e emo­ci­o­nal­men­te.

Na ver­da­de, as pes­so­as rígi­das men­tal­men­te são aque­las que:

– Pen­sam que só há um “modo ade­qua­do” de fazer as coi­sas.

– Assu­mem que a sua pers­pec­ti­va é a úni­ca cor­re­ta e que o res­to das pes­so­as está erra­do.

– Não estão aber­tas à mudan­ça por­que isso as assus­ta.

– Se ape­gam ao pas­sa­do e recu­sam se mover.

Mas, se há algu­ma coi­sa que carac­te­ri­za pes­so­as com rigi­dez men­tal, é o dese­jo de ter razão a todo cus­to. Elas não per­ce­bem que este dese­jo é extre­ma­men­te pre­ju­di­ci­al por­que a pos­si­bi­li­da­de de esta­rem erra­das e come­te­rem erros é, jus­ta­men­te, a prin­ci­pal fer­ra­men­ta de apren­di­za­do e cres­ci­men­to.

Nós não pode­mos cres­cer, não pode­mos real­men­te assi­mi­lar novos conhe­ci­men­tos, seja a nível inte­lec­tu­al ou emo­ci­o­nal, se não nos der­mos con­ta de que o que sabe­mos ou cre­mos pode estar erra­do ou, pelo menos, ser insu­fi­ci­en­te.

Na ver­da­de, uma das prin­ci­pais carac­te­rís­ti­cas das pes­so­as que têm uma cer­ta fle­xi­bi­li­da­de men­tal é serem capa­zes de per­ce­ber que deci­sões erra­das não são “más deci­sões”, e sim que qual­quer deci­são é boa se for segui­da por uma outra deci­são: a de ver­mos o lado posi­ti­vo dis­so.

Fle­xi­bi­li­da­de men­tal é jus­ta­men­te saber que qual­quer deci­são que toma­mos, sem­pre abre dian­te de nós um mun­do de pos­si­bi­li­da­des.

Por­tan­to, a fle­xi­bi­li­da­de men­tal con­sis­te em estar­mos dis­pos­tos a acei­tar a pos­si­bi­li­da­de de equi­vo­car-nos, não ter medo dos erros e ten­tar enten­der e abra­çar as coi­sas novas ou pon­tos de vis­ta dife­ren­tes dos nos­sos.

A rigi­dez men­tal como resis­tên­cia incons­ci­en­te

A pes­soa que desen­vol­ve uma manei­ra mui­to rígi­da de pen­sar, de cer­ta for­ma, está se pro­te­gen­do. De fato, a rigi­dez men­tal pode tam­bém ser enten­di­da como uma resis­tên­cia psi­co­ló­gi­ca. Em cer­to pon­to, pois quan­do uma ideia vai con­tra ao que se pen­sa, a pes­soa expe­ri­men­ta uma sen­sa­ção estra­nha que lhe con­fun­de, para­li­sa e faz com que se feche às razões.

Assim, mui­tas pes­so­as sim­ples­men­te rejei­tam o argu­men­to, sem ana­li­sar. No entan­to, a boa notí­cia é que, quan­do isso acon­te­ce, é por­que algo no seu inte­ri­or se dá con­ta que há um pro­ble­ma, algo pre­ci­sa ser resol­vi­do, embo­ra o pro­ces­so seja dolo­ro­so.

De fato, em mui­tos casos, per­ce­ber que algo que você acre­di­ta­va cega­men­te por anos não é ver­da­de, ou pelo menos não é toda a ver­da­de, pode cau­sar uma dor enor­me que pode dar lugar a uma cri­se exis­ten­ci­al.

Como abrir a cai­xi­nha

A boa notí­cia é que a fle­xi­bi­li­da­de men­tal é uma habi­li­da­de que pode ser desen­vol­vi­da e apren­di­da.

1. Con­cen­tre-se em suas emo­ções.

Quan­do você está ten­ta­do a rejei­tar com­ple­ta­men­te uma ideia, obser­ve como você se sen­te. Se você se sen­tir des­con­for­tá­vel com o que você ouve, é pro­vá­vel que a rigi­dez em sua manei­ra de pen­sar escon­da uma resis­tên­cia incons­ci­en­te.

Per­gun­te a si mes­mo de que tem medo. Se você res­pon­der hones­ta­men­te, irá des­co­brir mui­tas coi­sas. Na ver­da­de, quan­to mais medo você per­ce­ber que sen­te, mais será capaz de ilu­mi­nar essa resis­tên­cia.

2. Ali­men­te o dese­jo de cres­cer.

A curi­o­si­da­de con­ti­nua sen­do uma das fer­ra­men­tas mais pode­ro­sas que temos à nos­sa dis­po­si­ção para cres­cer como pes­so­as.

Em vez de acei­tar as velhas idei­as, per­gun­ta-se: “Por quê?”. Se come­çar a se ques­ti­o­nar sobre tudo que você sem­pre deu como cer­to, não só encon­tra­rá res­pos­tas novas como tam­bém des­co­bri­rá um novo mun­do, mui­to mais vas­to.

3. Desen­vol­va empa­tia.

Em mui­tos casos, você pro­va­vel­men­te não con­cor­da­rá com as idei­as, as for­mas de pen­sar e ati­tu­des dos outros. No entan­to, em vez de rejei­tá-los de ime­di­a­to, ten­te se colo­car no lugar deles para enten­der de onde vêm esse pon­to de vis­ta.

Se você rejei­tar o que não sabe ou não gos­ta, você será a mes­ma pes­soa de antes, mas se você ten­tar enten­der o outro, terá cami­nha­do um pas­so além e cres­ce­rá.

4. Abra­ce os erros.

Ter cer­ta fle­xi­bi­li­da­de men­tal sig­ni­fi­ca não ter medo dos erros, sig­ni­fi­ca estar dis­pos­to a apro­vei­tar as novas opor­tu­ni­da­des, mes­mo que isso sig­ni­fi­que se equi­vo­car.

Tra­ta-se de enten­der a vida como um con­tí­nuo apren­di­za­do, onde cada erro não é um pas­so atrás, mas sim um pas­so a fren­te em nos­sa evo­lu­ção, pois nos per­mi­te des­fa­zer­mos velhos padrões já enrai­za­dos.

5. Não bus­que a ver­da­de abso­lu­ta.

Toda vez que assu­mi­mos uma ver­da­de como um fato imu­tá­vel, sig­ni­fi­ca que para­mos de olhar nes­sa dire­ção e, por­tan­to, come­ça­mos a mor­rer um pou­co todos os dias nes­sa área. Assim, é impor­tan­te não se pren­der a uma úni­ca manei­ra de ver as coi­sas e man­ter uma men­te aber­ta.

O mais impor­tan­te para se livrar da rigi­dez men­tal é não bus­car a ver­da­de abso­lu­ta, sim­ples­men­te, por­que ela não exis­te.

Fon­te: www.revistapazes.com